quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Notícias que a Globo não Publica: Médicos Cubanos no Haiti Deixam o Mundo Envergonhado

MÉDICOS CUBANOS NO HAITI DEIXAM O MUNDO ENVERGONHADO

Pela Redação do Fazendo Média em 27.12.2010

Matéria escrita originalmente por Nina Lakhani no The Independent, e republicada na Carta Maior.

Eles são os verdadeiros heróis do desastre do terremoto no Haiti, a catástrofe humana na porta da América, a qual Barack Obama prometeu uma monumental missão humanitária dos EUA para aliviar. Esses heróis são da nação arquiinimiga dos Estados Unidos, Cuba, cujos médicos e enfermeiros deixaram os esforços dos EUA envergonhados.

Uma brigada de 1.200 médicos cubanos está operando em todo o Haiti, rasgado por terremotos e infectado com cólera, como parte da missão médica internacional de Fidel Castro, que ganhou muitos amigos para o Estado socialista, mas pouco reconhecimento internacional.

Observadores do terremoto no Haiti poderiam ser perdoados por pensar operações de agências de ajuda internacional e por os deixarem sozinhos na luta contra a devastação que matou 250.000 pessoas e deixou cerca de 1,5 milhões de desabrigados. De fato, trabalhadores da saúde cubanos estão no Haiti desde 1998, quando um forte terremoto atingiu o país. E em meio à fanfarra e publicidade em torno da chegada de ajuda dos EUA e do Reino Unido, centenas de médicos, enfermeiros e terapeutas cubanos chegaram discretamente. A maioria dos países foi embora em dois meses, novamente deixando os cubanos e os Médicos Sem Fronteiras como os principais prestadores de cuidados para a ilha caribenha.

Números divulgados na semana passada mostram que o pessoal médico cubano, trabalhando em 40 centros em todo o Haiti, tem tratado mais de 30.000 doentes de cólera desde outubro. Eles são o maior contingente estrangeiro, tratando cerca de 40% de todos os doentes de cólera. Outro grupo de médicos da brigada cubana Henry Reeve, uma equipe especializada em desastre e em emergência, chegou recentemente, deixando claro que o Haiti está se esforçando para lidar com a epidemia que já matou centenas de pessoas.

Desde 1998, Cuba treinou 550 médicos haitianos gratuitamente na Escola Latino-americana de Medicina em Cuba (Elam), um dos programas médicos mais radicais do país. Outros 400 estão sendo treinados na escola, que oferece ensino gratuito – incluindo livros gratuitos e um pouco de dinheiro para gastar – para qualquer pessoa suficientemente qualificada e que não pode pagar para estudar Medicina em seu próprio país.

John Kirk é um professor de Estudos Latino-Americanos na Universidade Dalhousie, no Canadá, que pesquisa equipes médicas internacionais de Cuba. Ele disse: “A contribuição de Cuba, como ocorre agora no Haiti, é o maior segredo do mundo. Eles são pouco mencionados, mesmo fazendo muito do trabalho pesado.”.

Esta tradição remonta a 1960, quando Cuba enviou um punhado de médicos para o Chile, atingido por um forte terremoto, seguido por uma equipe de 50 a Argélia em 1963. Isso foi apenas quatro anos depois da Revolução.

Os médicos itinerantes têm servido como uma arma extremamente útil da política externa e econômica do governo, ganhando amigos e favores em todo o globo. O programa mais conhecido é a “Operação Milagre”, que começou com os oftalmologistas tratando os portadores de catarata em aldeias pobres venezuelanos em troca de petróleo. Esta iniciativa tem restaurado a visão de 1,8 milhões de pessoas em 35 países, incluindo o de Mario Terán, o sargento boliviano que matou Che Guevara em 1967.

A Brigada Henry Reeve, rejeitada pelos norte americanos após o furacão Katrina, foi a primeira equipe a chegar ao Paquistão após o terremoto de 2005, e a última há sair seis meses depois.

A Constituição de Cuba estabelece a obrigação de ajudar os países em pior situação, quando possível, mas a solidariedade internacional não é a única razão, segundo o professor Kirk. “Isso permite que os médicos cubanos, que são terrivelmente mal pagos, possam ganhar dinheiro extra no estrangeiro e aprender mais sobre as doenças e condições que apenas estudaram. É também uma obsessão de Fidel e ele ganha votos na ONU.”

Um terço dos 75 mil médicos de Cuba, juntamente com 10.000 trabalhadores de saúde, estão atualmente trabalhando em 77 países pobres, incluindo El Salvador, Mali e Timor Leste. Isso ainda deixa um médico para cada 220 pessoas em casa, uma das mais altas taxas do mundo, em comparação com um para cada 370 na Inglaterra.

Onde quer que sejam convidados, os cubanos implementam o seu modelo de prevenção com foco global, visitando famílias em casa, com monitoração proativa de saúde materna e infantil. Isso produziu “resultados impressionantes” em partes de El Salvador, Honduras e Guatemala, e redução das taxas de mortalidade infantil e materna, redução de doenças infecciosas e deixando para trás uma melhor formação dos trabalhadores de saúde locais, de acordo com a pesquisa do professor Kirk.

A formação médica em Cuba dura seis anos – um ano mais do que no Reino Unido – após o qual todos trabalham após a graduação como um médico de família por três anos no mínimo. Trabalhando ao lado de uma enfermeira, o médico de família cuida de 150 a 200 famílias na comunidade em que vive.

Este modelo ajudou Cuba a alcançar alguns índices invejáveis de melhoria em saúde no mundo, apesar de gastar apenas $ 400 (£ 260) por pessoa no ano passado em comparação com $ 3.000 (£ 1.950) no Reino Unido e $ 7.500 (£ 4,900) nos EUA, de acordo com Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento.

Grã-Bretanha e menor do que os EUA. Apenas 5% dos bebês nascem com baixo peso ao nascer, um fator crucial para a saúde a longo prazo, e a mortalidade materna é a mais baixa da América Latina, mostram os números da Organização Mundial de Saúde.

As policlínicas de Cuba, abertas 24 horas por dia para emergências e cuidados especializados, é um degrau a partir do médico de família. Cada uma prevê 15.000 a 35.000 pacientes por meio de um grupo de consultores em tempo integral, assim como os médicos de visita, garantindo que a maioria dos cuidados médicos são prestados na comunidade.

Imti Choonara, um pediatra de Derby, lidera uma delegação de profissionais de saúde internacionais, em oficinas anuais na terceira maior cidade de Cuba, Camagüey. “A saúde em Cuba é fenomenal, e a chave é o médico de família, que é muito mais pró-ativo, e cujo foco é a prevenção. A ironia é que os cubanos vieram ao Reino Unido após a revolução para ver como o HNS [Serviço Nacional de Saúde] funcionava. Eles levaram de volta o que viram, refinaram e desenvolveram ainda mais, enquanto isso, estamos nos movendo em direção ao modelo dos EUA”, disse o professor Choonara.

A política, inevitavelmente, penetra muitos aspectos da saúde cubana. Todos os anos os hospitais produzem uma lista de medicamentos e equipamentos que têm sido incapazes de acesso por causa do embargo americano, o qual que muitas empresas dos EUA de negociar com Cuba, e convence outros países a seguir o exemplo. O relatório 2009/10 inclui medicamentos para o câncer infantil, HIV e artrite, alguns anestésicos, bem como produtos químicos necessários para o diagnóstico de infecções e órgãos da loja. Farmácias em Cuba são caracterizadas por longas filas e estantes com muitos vazios. Em parte, isso se deve ao fato de que eles estocam apenas marcas genéricas.

Antonio Fernandez, do Ministério da Saúde Pública, disse: “Nós fazemos 80% dos medicamentos que usamos. O resto nós importamos da China, da antiga União Soviética, da Europa – de quem vender para nós – mas isso é muito caro por causa das distâncias.”

Em geral, os cubanos são imensamente orgulhosos e apóiam a contribuição no Haiti e outros países pobres, encantados por conquistar mais espaço no cenário internacional. No entanto, algumas pessoas queixam-se da espera para ver o seu médico, pois muitos estão trabalhando no exterior. E, como todas as commodities em Cuba, os medicamentos estão disponíveis no mercado negro para aqueles dispostos a arriscar grandes multas se forem pegos comprando ou vendendo.

As viagens internacionais estão além do alcance da maioria dos cubanos, mas os médicos e enfermeiros qualificados estão entre os proibidos de deixar o país por cinco anos após a graduação, salvo como parte de uma equipe médica oficial.

Como todo mundo, os profissionais de saúde ganham salários miseráveis em torno de 20 dólares (£ 13) por mês. Assim, contrariamente às contas oficiais, a corrupção existe no sistema hospitalar, o que significa que alguns médicos e até hospitais, estão fora dos limites a menos que o paciente possa oferecer alguma coisa, talvez almoçar ou alguns pesos, para tratamento preferencial.

Empresas internacionais de Cuba na área da saúde estão se tornando cada vez mais estratégicas. No mês passado, funcionários mantiveram conversações com o Brasil sobre o desenvolvimento do sistema de saúde pública no Haiti, que o Brasil e a Venezuela concordaram em ajudar a financiar.

A formação médica é outro exemplo. Existem atualmente 8.281 alunos de mais de 30 países matriculados na Elam, que no mês passado comemorou o seu 11 º aniversário. O governo espera transmitir um senso de responsabilidade social para os alunos, na esperança de que eles vão trabalhar dentro de suas próprias comunidades pobres pelo menos cinco anos.

Damien Joel Soares, 27 anos, estudante de segundo ano de New Jersey, é um dos 171 estudantes norte-americanos; 47 já se formaram. Ele rejeita as alegações de que Elam é parte da máquina de propaganda cubana. “É claro que Che é um herói, mas aqui isso não é forçado garganta abaixo.”

Outros 49.000 alunos estão matriculados no “Novo Programa de Formação de Médicos Latino-americanos”, a ideia de Fidel Castro e Hugo Chávez, que prometeu em 2005 formar 100 mil médicos para o continente. O curso é muito mais prático, e os críticos questionam a qualidade da formação.

O professor Kirk discorda: “A abordagem high-tech para as necessidades de saúde em Londres e Toronto é irrelevante para milhões de pessoas no Terceiro Mundo que estão vivendo na pobreza. É fácil ficar de fora e criticar a qualidade, mas se você está vivendo em algum lugar sem médicos, ficaria feliz quando chegasse algum.”

Há nove milhões de haitianos que provavelmente concordariam.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

2010 - O Ano da Argentina

Não foi somente no cinema com 'O Segredo dos Seus Olhos' e no esporte com Messi e Conca que a Argentina deu um banho no Brasil neste ano de 2010. Na justiça (política) o saldo dos hermanos também foi positivo.

Nesta última semana a justiça argentina condenou o ex-presidente e ditador Jorge Rafael Videla de 84 anos a prisão perpétua (na cadeia mesmo e não em prisão domiciliar) por crime de lesa humanidade.

Videla comandou a ditadura entre os anos de 76 a 81 e defendeu-se argumentando de que se vivia uma guerra justa.

Não foi a única pena a criminosos da época dos governos militares. Um alto nome da ditadura portenha também teve pena semelhante, Luciano Menendez, ‘La Hiena’ que participou do governo militar entre 76 e 83. Na verdade foi sua quinta condenação à prisão perpétua.

Em 2010 também foram condenados ex-chefe da inteligência policial de Tucumán, Roberto Albornoz, “El tuerto”, prisão perpétua e os ex-policiais Luis e Carlos de Cándido que receberam 18 e 3 anos, respectivamente

Enquanto nossos hermanos fazem justiça nos ainda levamos a vida e a história na flauta. Argumentos de que não devemos ressuscitar fantasmas e que não podemos passar por cima da lei da anistia, nos impedem de fazer valer a humanidade sobre os crimes cometidos por ignóbeis governos, que promoveram sangrenta perseguição aos que ousaram levantar suas vozes contra o totalitarismo e jogaram o país em anos de atraso sob uma falsa ideia de segurança e de ausência de corrupção governamental.

Nos gabamos de um potencial produtivo digno das maiores potências mundiais e a perspectiva de um futuro desenvolvimentista mas sequer conseguimos acertas as contas com o nosso recente passado.

O PNDH - Programa Nacional de Direitos Humanos pretendia propor esse acerto, mas criticado duramente por parlamentares de direita e pela imprensa burguesa acabou destinado a revisões que muito provavelmente irão descaracterizar seu potencial progressista no atendimento aos anseios dos conservadores e golpistas de outrora.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz Natal !!!

Um divertido Áudio ! Um Belo Vídeo !! E uma Mensagem (Velha), mas Bacana !!!






Então é Natal...

Mais um Natal se aproxima, tudo bem, sabemos que Jesus não nasceu no dia 25 de Dezembro, aliás é uma das poucas certezas que temos sobre seus primeiros anos de vida,mas aceitemos as convenções
de uma ótima estratégia de  um antigo rei.
 Na verdade pouco importa a data, o que há de belo e relevante é o que esta representa,
os sentimentos que ela revela.

Ou será que você nunca percebeu?! Tudo parece se harmonizar, se alegrar...A mais carrancuda das pessoas abre um sorriso, nem que seja de canto de boca, as almas ficam mais caridosas
(um prato cheio para as campanhas disso e daquilo), tudo isso num espaço de tempo relativamente curto que compreende o início das primeiras mensagens de televisão e terminam em menos de um mês, no almoço do dia 25.
 
Deve ser o tal espírito do Natal. Qual outra coisa poderia explicar que pessoas que nunca se viram cumprimentassem calorosamente, você brincar com aquele seu primo pentelho e abraçar seu tio chato, que teimam em invadir sua casa em datas como esta, ou quem sabe até os mais exaltados saírem com gorros vermelhos cantando aquelas músicas que aprendemos ouvindo os LP's da vovó,
que saem do armário para ressuscitar a velha e empoeirada vitrola do papai.
"Jingle Bells" e "Pinheirinhos" soam por toda a casa que há essa hora já cheira à rabanada.

Até o mercado, aquele ao qual erguemos nossos ódios socialistas, fica mais bonito (não quer dizer melhor). Vitrines enfeitadas, lusinhas, parcelas à perder de vista, lusinhas, neve em pleno Verão, e caso tenha esquecido: lusinhas.

Muito mais claro que as lusinhas (caso não tenha falado nelas) é a intenção disso tudo: derreter seu suado 13o ;
talvez seja este um dos motivos de ser (o Natal) em Dezembro. Impossível não ficar, às vezes, boquiabertos,
 com as decorações dos shoppings, e enquanto isso, o seu (o nosso) parco salário se esvai pelo bolso a fora.

Mas como diria o bisonho participante de um programa sensacionalista:"faz parte".
Até se vestir com uma grossa roupa verde, gorro, bota, luva, nos típicos 40o da época.
 Aposto que você estranhou o fato de eu ter citado a cor verde. Pois é, antes de 1933 esta era a cor predominante da vestimenta do bom velhinho, e se você tiver tempo e dinheiro o bastante pode ir até a Lapônia pra conferir,
lá o "pseudo-Santa Claus" da multinacional de refrigerante não faz o menor sucesso.

Voltando ao espírito de Natal, chega a ser emocionante ver, até para menos atuante dos cristãos, lembrar as palavras de um outro bom velhinho, este nascido na Polônia e que recentemente foi juntar-se ao Aniversariante.  
Palavras, de paz, harmonia, alegria, felicidade e amor.

E é justamente com o aproximar dos ponteiros do relógio do número 12, que todos aqueles sentimentos explicitados durante todo este texto se tornam mais fortes, intensos e num brinde em que desejo e espero se perpetuar ainda mais fortificados, por toda essa esfera a que chamamos de lar, em apenas duas sinceras palavras:
                                                           Feliz Natal

domingo, 19 de dezembro de 2010

Agradecimento


Gostaria de agradecer àqueles que reproduziram meu texto Violência e Manipulação da Mídia: Uma Guerra Carioca, sobre o 'embate' do texto contra o tráfico de drogas, em seus sites, blogs, etc. 

Também agradeço à Carta Capital que publicou o texto em sua versão on line, gerando mais de 50 comentários. No entanto ele foi retirado do ar, creio eu, devido aos erros de digitação (a pressa é triste). Agradeço também aos que comentaram, falando bem e mal do meu texto. O importante é colocar a discussão em pauta. 

Agradeço aos que twitaram meu texto. Foram cerca de 60 retwites. 

Também agradeço ao companheiro Felipe Deveza que encaminhou meu texto para a Universidade de Santiago de Compostela (Galiza, Espanha). 

Seguem os links dos sites que reproduziram meu texto.



http://blogln.ning.com/profiles/blogs/cartacapital-a-violencia-e-a?xg_source=activity


http://www.jornalaguaverde.co.cc/

http://www.politicadaparaiba.com.br/novo-geral/layout.php?subaction=showfull&id=1291076032&archive=&start_from=&ucat=47&

http://www.causes.com/causes/515587-boicote-globo

http://irolog.com.br/blog_base_%20%20A%20Viol%C3%AAncia%20e%20a%20Manipula%C3%A7%C3%A3o%20da%20M%C3%ADdia%20Uma%20%E2%80%98Guerra%E2%80%99%20Carioca.html

http://valnorhenriques.wordpress.com/2010/11/30/a-violencia-e-a-manipulacao-da-midia-uma-%E2%80%98guerra%E2%80%99-carioca-%C2%AB-cartacapital/

http://www.bancariosrio.org.br/noticias.php?id=10007

http://www.renajorp.net/repudio-ao-revide-violento-das-forcas-de-seguranca-publica-no-rio-de-janeiro-e-as-violacoes-aos-direitos-humanos-que-vem-sendo-cometidas/comment-page-1/#comment-541

http://www.alemdeeconomia.com.br/blog/?p=3323

http://sinesiopontes.wordpress.com/2010/11/30/reflexao-sobre-a-reconquista-do-rio/

http://identi.ca/notice/59457222

http://advivo.com.br/blog/luisnassif/traficantes-unicos-viloes-nos-combates-cariocas

http://muitasbocasnotrombone2.blogspot.com/