sexta-feira, 22 de março de 2013

Habemus Papam Francisco ! E Agora o que Esperar ?

No conclave que escolheu Ratzinguer como Papa eu expus minha preferência, em uma comunidade do falecido Orkut, pelo ex cardeal emérito de Milão, o também falecido Carlo Maria Martini. Fui veemente atacado e perseguido. Martini representava à época a ala mais progressista da cúria. Sua posição a favor do casamento (civil) entre pessoas do mesmo sexo, a utilização de preservativo como método de combate à AIDS e de controle à gravidez e solidário à ordenação de mulheres, chamou minha atenção e alimentou minha admiração. Era incisivo quando afirmava que a Igreja estava (e ainda está) "atrasada 200 anos", e que deveria "reconhecer os seus erros, a começar pelo Papa". Martini obteve 9 votos no primeiro escrutínio contra 10 de Bergoglio e 45 de Ratzinguer. A eleição do cardeal que silenciou Leonardo Boff foi um banho de água gélida. 


Cardeal Carlo Maria Martin.
Fonte:
http://1.bp.blogspot.com
Com a morte em 2012 de Martini, os progressistas ficaram um tanto órfãos e sem um representante forte acabaram perdendo espaço neste conclave de 2013. Terminaram representados pelos chamados moderados que geralmente não abrem mão da rigidez moral. Não foi possível verificar dentre os elegíveis alguém que manifestasse ideais tão evoluídos como os de Martini e por tal razão não me motivei a elencar meus ‘desejáveis‘ ou favoritos.

A escolha do argentino Bergoglio, agora Papa Francisco, surpresa para uns e esperado para outros (especula-se que teria ficado em segundo lugar na última votação do conclave anterior) levanta uma série de questões. Primeiramente ilustra um poder de articulação dos cardeais do continente latino americano frente a ala européia e representa a urgência na defesa do maior reduto católico do mundo, onde se encontram cerca de 40% de seus seguidores, mas também onde são perdidos 400 fiéis todos os dias só no Brasil.


Habemus Papam Francisco
Fonte: http://oglobo.globo.com
No que tange às reformas profundas, como o papel da mulher na Igreja ou revisões das posições da Igreja sobre questões morais, o histórico de Bergoglio nos oferece pouca esperança. Alinhado, em boa parte, aos pensamentos de João Paulo II (pelo qual foi feito cardeal) e Bento XVI, Francisco não tende, a priori e por suas próprias convicções, realizar mudanças profundas na Igreja. 


A esperança reside em sua humildade e simplicidade. Quando cardeal, Bergoglio recusando os luxos oferecidos pela igreja argentina, andava de transporte público, cozinhava sua própria comida e morava em um apartamento simples em Buenos Aires. Sua visão política sobre a pobreza também é diferenciada em relação a outros sacerdotes. Apreciador do contato com o povo, não raras as vezes era visto em favelas e hospitais em seu trabalho evangelizador. Essas características indicam, segundo jornalistas, vaticanistas e teólogos um papado mais missionário, menos concentrado em Roma e mais perto dos fiéis, uma Igreja mais simples e menos burocratizada. Em suas primeiras ações pontifícias, Francisco realmente reflete essa inclinação para a simplicidade e proximidade ao povo. Optou por um anel de prata (banhado a ouro) ao invés de ouro maciço como o de costume, a cruz que leva consigo é de aço, alguns paramentos foram recusados assim como a limusine particular, preferiu em carro de um funcionário do Vaticano. Em seus discursos até o momento, o tema da pobreza e a necessidade de uma instituição com menos pompa sempre tem estão presentes.Também tem causado dor de cabeça aos seguranças por não respeitar protocolos. O já citado Leonardo Boff, precursor da Teologia da Libertação no Brasil (combatida por Bergoglio na Argentina) crê em uma sobreposição do povo à hierarquia, uma maior participação e importância dos leigos além de trilhar o caminho do ecumenismo. Opinião semelhante é a de Dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Felix do Araguaia. Companheiro de Boff na propagação da Teologia da Libertação, Casaldáliga também foi punido durante o papado de João Paulo II, por sua posição progressista e aguerrida na defesa dos índios contra latifundiários locais. Segundo ele, a escolha de Bergoglio "é um respiro para a Igreja" e esperançoso aguarda por mudanças que volte a Igreja aos pobres e a torne solidária na defesa dos direitos humanos. 


Papa no ônibus, junto com cardeais e padres.
Fonte: http://s2.glbimg.com/

Em contraponto às suas características positivas, pesam sobre o bispo de Roma a 'inconveniente' ligação ao último regime ditatorial argentino, seu silêncio sobre as atrocidades ocorridas na época e sérias acusações sobre possível atuação criminosa, favorecendo a captura, prisão e tortura de dois padres de sua ordem jesuíta e envolvimento na entrega de filhos de presas políticas para adoção. É intrigante como a Igreja não consegue se desvencilhar de polêmicas. Ora fruto do envolvimento de sacerdotes em casos de pedofilia, ora em escândalos na esfera burocrática, perpassando defesas de governos assassinos e criminosos ou silenciando-se sobre eles. Apesar de falta de consenso sobre isso - algumas organizações como o Conadep* defendem a inocência de Bergoglio enquanto outras como as Mães da Praça de Maio o acusam, é inegável que ao menos complacente com um regime facínora ele fora.


Cardeais na bela e faraônica Basílica de São Pedro.
Fonte: http://oglobo.globo.com

Fazer da instituição Igreja Católica, conhecida por sua suntuosidade, descer aos pobres e tornar-se mais simples é uma mudança de ar positiva, necessária e urgente, contudo não podem ficar relegadas à uma mudança mais de forma do que de conteúdo. Uma práxis cristã alinhada com a defesa do povo pobre, oprimido, espoliado e contra as desigualdades depreenderá esforços na revisão de ranços históricos e ruptura de privilégios. Tomara que suas atitudes não sejam apenas a de um homem e influenciem toda a instituição. Tomara que se inaugure uma nova era onde a Igreja "beba do cálice dos pobres"**. Tomara que, com a mesma rigidez que sempre destinou
 à defesa da doutrina, trate os casos de abusos praticados por sacerdotes. Tomara que Francisco continue surpreendendo com suas atitudes e promova mudanças que atendam aos anseios do mundo moderno, não pelo caminho do individualismo e materialismo, mas na revisão de seus arcaicos conceitos morais que a distanciam de um mundo que já saiu da idade média, por mais que a tentem trazer de volta. Não sou tão esperançoso, mas tomara que eu esteja errado.


* Conadep - Comissão Nacional de Desaparecimento de Pessoas.

** "Deixa a Cúria, Pedro!" Poema de Dom Pedro Casaldáliga.

Dicas de Leitura:

http://amahet.blogspot.com.br/2009/11/habemus-papam-allan-mahet-texto-escrito.html


http://blogdomaximus.com/2013/03/11/o-conclave-de-2013/

http://www.ihu.unisinos.br/noticias/518043-para-o-conclave-as-previsoes-sobre-os-cardeais

http://www.ionline.pt/mundo/diario-secreto-cardeal-desvenda-eleicao-ratzinger-esteve-tremida

http://www.publico.pt/mundo/noticia/morreu-o-cardeal-carlo-martini-que-defendia-uma-igreja-mais-compreensiva-e-aberta-ao-mundo-1561209

http://br.noticias.yahoo.com/morre-cardeal-martini-figura-destaque-dos-cat%C3%B3licos-progressistas-163806791.html

http://pensamentos-vagabundos.blogspot.com.br/2012/09/o-cardeal-carlo-maria-martini-o-homem.html

http://fratresinunum.com/tag/cardeal-carlo-maria-martini/

domingo, 17 de março de 2013

Anna Karenina (Anna Karenina, 2012)

Como contar uma história que já foi lida por milhões de pessoas ao redor do mundo? Como reinventar um enredo que já ganhou quatro outras versões para o cinema (1935, 48, 85 e 97)? Como atrair um público jovem, maioria entre frequentadores de cinema, para assistirem a filme baseado em um livro russo de 1877? Resposta: ousando-se. E foi exatamente assim, ousando que Joe Wright (‘Desejo e Reparação’ e ‘Orgulho & Preconceito’) leva ao cinema mais uma versão do romance histórico de Tolstói, Anna Karenina.

Dono de um currículo que conta com outras duas obras baseadas em ícones da literatura mundial, Wright optou por ambientar a Rússia imperial do século XIX no interior de um velho teatro objetivando com isso explorar o conceito da encenação de rígidos papéis no interior da sociedade russa da época, papéis estes encenados como em uma peça teatral.

Concepções artísticas, principalmente no que tange a cenografia, que fogem do lugar comum, fascinam amantes da 7ª arte como, por exemplo, ‘Dogville’ no qual toda a trama se passa em um galpão com marcações no chão que identificam os cenários. A coragem em se enveredar por tais escolhas não pertence, obviamente, a todos os cineastas, e mais raro ainda é o talento para a condução de tais projetos. A possibilidade de tais tramas ficarem subjugadas às suas inovações e por isso possam se perder em si mesmas é grande e facilmente diretores caem em armadilhas de seus próprios conceitos. Aos menos acostumados ou mais puritanos a estética pode incomodar de início, mesmo que não exatamente por ela em si, mas, sobretudo porque prejudica um pouco a identificação dos personagens. No entanto à medida que o tempo passa, com o aprofundamento da trama, o espectador é levado para dentro da história e ganha familiaridade com os personagens. 



Essa abordagem estética pouco usual foi, obviamente, alvo de diversas críticas, porém a maior parte foi dirigida a uma possível falta de profundidade com que a história é tratada e superficialidade no trato dos personagens. Mas se aprofundar é transformá-lo em uma historinha água com açúcar e arrastada de outras adaptações é fácil optar pelas inovações que ‘rejuvenescem‘ o enredo e a tornam mais acessível principalmente àqueles pouco afeitos a filmes baseados em romances históricos. Cabe levarmos em consideração que a complexidade dos diversos personagens, só plenamente captada no livro, é impossível de ser traduzida em duas horas e cair na comum tentação de estender a história por mais meia hora poderia torná-la cansativa.

A caprichada produção rendeu indicações em categorias técnicas (Direção de Arte, Figurino, Maquiagem, etc) nos principais prêmios do cinema em 2013. Foram quatro indicações ao Oscar, 6 indicações ao Bafta (o Oscar inglês) e duas indicações vencedoras ao Critics Choice Awards, além de outros mais. Nada mais justo, apesar de ter merecido melhor sorte em outras categorias como direção, por exemplo, afinal não é todos os dias que somos brindados com uma das mais belas cenas já realizadas no cinema: o baile promovido pela família de Kitty. Tudo é impecável: cenário, música, atuação e figurino formam um conjunto de plasticidade e beleza desconcertantes e de grande carga dramática. Ficam evidentes os sentimentos que envolvem todos os personagens sem que uma fala seja proferida.



Parceira de Joe Wright em ‘Orgulho e Preconceito’, pelo qual foi indicada ao Oscar e Globo de Ouro em 2006, e em ‘Expiação’, a bela Keira Knightley transmite um ar jovial, moderno e sensual à Anna. Sua personagem mantém um casamento frio, porém sem grandes ou claras demonstrações de tristezas ou frustrações. Seu descontentamento maior é com o tratamento dado ao filho pelo seu marido, o oficial Alexei Karenin interpretado por um corretíssimo Jude Law (‘Closer’ e ‘Inteligência Artificial’) de emoção contida, quase imperceptível, mas que no olhar e na contrição dos gestos passa seus sentimentos. O mundo de Anna muda completamente quando em uma viagem de trem conhece o Conde Vronsky (Aaron Taylor-Johnson de ‘Kick Ass’) e entre eles nasce uma enorme paixão que desencadeia uma série de conseqüências. O jovem Taylor-Johnson, talvez seja o ponto fora da curva no que diz respeito às interpretações. Até convence em um papel de galã, o que é surpreendente considerando seu papel em ‘Kick Ass’, porém falta certa gana, força em seu Vronsky. O caso entre os Anna e o Conde irá repercutir em outros personagens da trama como Kitty, (Alicia Vikander de ‘O Sétimo Filho’), futura noiva de Vronsky e Konstatin Dimitrivich (Domhnall Gleeson de ‘Bravura Indômita’) apaixonado por Kitty, mas que se frustra ao saber que sua amada já está prometida.



O filme conta ainda com Stiva Oblonsky (Matthew Macfadyen de ‘Os Três Mosqueteiros’) irmão de Anna, que apesar de ser mais um a representar a sociedade machista, acaba por figurar como um quase alívio cômico dentro da trama. Sua esposa, Daria Dolly (Kelly Macdonald de ‘Onde os Fracos não Têm Vez’), no entanto sofre com as traições do marido, porém conformada e acuada pela moral da época o perdoa sempre. Em pequena participação, porém importante, como irmão de Konstatin, temos David Wilmot (de ‘Rei Arthur’) e sua ‘esposa’ Masha, a atriz indiana Tannishtha Chatterjee.

O caso extraconjugal de Anna acaba por tornar-se evidente diante dos gestos e olhares que o casal troca entre si. Exposto diante da opinião pública Alexei Karenin, pressiona Anna a terminar seu caso usando o filho do casal ameaçando-a de não poder vê-lo. Apesar da pressão, a paixão fala mais alta e Karenina sai de casa, porém o divórcio não é concedido pelo marido. A figura de Anna é humilhada. A sociedade machista e moralista a faz questionar suas escolhas e a si mesma: abraçar seu amor incontrolável e aceitar o desprezo e escárnio dos outros ou abrir mão de seus sentimentos em prol de encenar seu papel de mãe zelosa e esposa submissa. Ao final o papel que Anna escolhe a liberta, mas reflete a opressão, o preconceito e o moralismo que por vezes teima em bater à porta de nossa sociedade do século XXI, evoluída, esclarecida e hipócrita.



Ao final da projeção fica a sensação de uma história que apesar de densa, passa pelos seus cerca de 120 minutos com leveza. A abordagem inteligente sopra modernidade sobre as páginas de Tolstói e pode recolocá-lo na vanguarda da literatura mundial, lugar de onde nunca deveria ter saído.



Nota: 9
Direção: Joe Wright
Elenco: Keira Knightley, Jude Law e Aaron Taylor-Johnson.
Roteiro: Tom Stoppard

domingo, 3 de março de 2013

Classificação de Todos os Grupos das Escolas de Samba - Carnaval 2013

Com certo atraso, publico a classificação de todos os grupos de escolas de samba e blocos de enredo do carnaval carioca de 2013. 

Nota especial para o acesso da Em Cima da Hora do eterno samba "Os Sertões" ao grupo A em 2014 e o descenso da Vizinha Faladeira para o grupo 1 de Blocos e Canários de Laranjeiras para o grupo 2 de Blocos, ambas já frequentaram o grupo Especial do carnaval.


Posição / Escolas / Pontuação / Classificação (Acesso / Descenso )    

Grupo Especial               
1             Vila Isabel - 299.7 - Campeão do Carnaval 2013
2             Beija-Flor - 299.4                            
3             U. da Tijuca - 299.2                        
4             Imperatriz - 298.3           
5             Salgueiro - 297.8             
6             Grande Rio  - 297.2        
7             Portela - 296.8                
8             Mangueira  - 296.5         
9             União da Ilha - 295.1     
10           São Clemente - 293.5   
11           Mocidade - 293.5           
12           Inocentes - 291.1 - Desce para Série A 2014

Série A
1             Império da Tijuca - 300- Sobe para o Especial 2014
2             Viradouro - 299,6                           
3             Império Serrano - 299,5              
4             Estácio - 299,5  
5             Rocinha  - 299,3               
6             Caprichosos  - 299          
7             U.  de Padre Miguel - 298,2       
8             Renascer  -298,2             
9             Porto da Pedra - 297,4 
10           Santa Cruz  -297,3          
11           Cubango - 297  
12           Parque Curicica                - 297    
13           Paraíso do Tuiuti - 296,7              
14           Alegria da Zona Sul - 296,4         
15           União de Jacarepaguá  - 296,2  
16           Tradição - 295,8               
17           Sereno - 295,3 - Desce para o Grupo B 2014
18           Jacarezinho - 290,1 - Desce para o Grupo B 2014
19           Vila Santa Tereza  - 287,5 - Desce para o Grupo B 2014

Grupo B
1             Em Cima da Hora  - 298.8 - Sobe para Série A 2014
2             Arranco - 298.5
3             Império da Praça Seca -298.4
4             Favo de Acari - 298.4
5             Sossego - 298.1
6             Unidos de Lucas - 297.5
7             Vila Kennedy  -296.6
8             Unidos da Ponte - 295.8
9             Villa Rica -295.5 - Desce para o Grupo C 2014
10           Difícil é o Nome               - 294.2 - Desce para o Grupo C 2014
11           Rosa de Ouro - 294.1 - Desce para o Grupo C 2014
12           Boi da Ilha - 293.9 - Desce para o Grupo C 2014
13           Vicente de Carvalho - 293.5 - Desce para o Grupo C 2014

Grupo C
1             Cabuçu -299.6 - Sobe para o Grupo B 2014
2             Unidos de Bangu - 299 - Sobe para o Grupo B 2014
3             Engenho da Rainha - 298.7 - Sobe para o Grupo B 2014
4             Cidade de Deus               - 298.6
5             Dendê  - 298.4
6             Boca de Siri - 297.7
7             Abolição - 296.9
8             Vigário Geral - 296.5 - Desce para o Grupo D 2014
9             Arrastão de Cascadura - 295.8 - Desce para o Grupo D 2014
10           Lins Imperial - 295.5 - Desce para o Grupo D 2014
11           Gato de Bonsucesso - 292.6 - Desce para o Grupo D 2014
12           Amarelinho - 292.4 - Desce para o Grupo D 2014

Grupo D
1             Santa Marta - 299.5 - Sobe para o Grupo C 2014
2             Leão de Nova Iguaçu - 299.1 - Sobe para o Grupo C 2014
3             Arame de Ricardo - 298 - Sobe para o Grupo C 2014
4             Cosmos               - 297.2
5             Manguinhos - 296.1
6             Matriz de São João - 296.1
7             Anil - 296
8             Chatuba de Mesquita - 295.3
9             Mocidade de Inhaúma - 295.3
10           Vizinha Faladeira - 294.8 - Desce para o Grupo 1 dos Blocos 2014
11           Flor da Mina - 294.4 - Desce para o Grupo 1 dos Blocos 2014
12           Tradição Barreirense - 293.3 - Desce para o Grupo 1 dos Blocos 2014

Classificação final - Blocos de Enredo

Posição / Blocos / Pontuação / Classificação (Acesso / Descenso )   
       
Grupo 1
1             Unidos das Vargens - 205 - Sobe para o Grupo D 2014
2             União da Ponte   - 204    
3             Coroado Jacarepaguá - 204
4             Império do Gramacho - 200
5             Flor da Primavera - 200
6             União de Vaz Lobo - 180 - Desce para o Grupo 2 dos Blocos 2014
7             Canários de Laranjeiras - 179 - Desce para o Grupo 2 dos Blocos 2014
8             Magnatas de Pedreira  - 172 - Desce para o Grupo 2 dos Blocos 2014
9             Unidos do Cabral - 138,5 - Desce para o Grupo 2 dos Blocos 2014

Grupo 2
1             Colibri de Mesquita  - 203,5 - Sobe para o Grupo 1 dos Blocos em 2014
2             Raízes da Tijuca                - 202,5
3             Unidos da Laureano  - 192,5
4             Novo Horizonte               - 192,5
5             Manguariba  - 176,5
6             Alto da Boa Vista - 168 - Desce para o Grupo 3 dos Blocos em 2014
7             Boêmios de Inhaúma  - 154 - Desce para o Grupo 3 dos Blocos em 2014
8             Unidos do Uraiti - Artº 14 - Desce para o Grupo 3 dos Blocos em 2014
9             Infantes da Piedade -  N/D - Desce para o Grupo 3 dos Blocos em 2014

Grupo 3
1             Bloco do Barriga - 104 - Sobe para o Grupo 2 dos Blocos em 2014
2             Oba-Oba do Recreio - 103,5      
3             Bloco do China - 99,5
4             Grilo de Bangu - 93
5             Chora na Rampa - 86,5 - Desce para o Grupo 4 dos Blocos em 2014
6             Mocidade da Mineira - 84 - Desce para o Grupo 4 dos Blocos em 2014
7             Unidos de Tubiacanga - 67,5 - Desce para o Grupo 4 dos Blocos em 2014
8             Água Branca - Artº 14 - Desce para o Grupo 4 dos Blocos em 2014

Grupo 4
1             Nova Campina – 102 - Sobe para o Grupo 3 dos Blocos em 2014
2             Parada Angélica-  Artº 14            
3             Arranco de Piabetá - Artº 14
4             Cometas do Bispo - Artº 14
5             Roda Quem Pode - N/D

Não foram encontradas informações sobre o que se trata o Artº. 14 citado para algumas escolas. Quanto ao N/D, provavelmente significa que a escola/bloco não tenha desfilado.

Para 2014 os desfiles estão assim definidos:

Grupo Especial
Vila Isabel  • Beija-Flor  • Unidos da Tijuca  • Imperatriz  • Salgueiro  • Grande Rio  • Portela  • Mangueira  • União da Ilha  • São Clemente  • Mocidade  • Império da Tijuca

Série A
Inocentes  • Viradouro  • Império Serrano  • Estácio  • Rocinha  • Caprichosos  • Padre Miguel  • Renascer  • Porto da Pedra  • Santa Cruz  • Cubango  • Parque Curicica  • Paraíso do Tuiuti  • Alegria da Zona Sul  • União de Jacarepaguá  • Tradição  • Em Cima da Hora

Grupo B              
Sereno  • Jacarezinho  • Vila Santa Tereza  • Arranco  • Império da Praça Seca  • Favo  • Sossego  • Lucas  • Vila Kennedy  • Ponte  • Cabuçu  • Unidos de Bangu  • Engenho da Rainha

Grupo C              
Villa Rica  • Difícil é o Nome  • Rosa de Ouro  • Boi da Ilha  • Mocidade de Vicente de Carvalho  • Mocidade da Cidade de Deus  • Dendê  • Boca de Siri  • Abolição  • Santa Marta  • Leão  • Arame

Grupo D             
Vigário Geral  • Arrastão  • Lins Imperial  • Gato  • Amarelinho  • Cosmos  • Manguinhos  • Matriz de São João  • Anil  • Chatuba  • Mocidade de Inhaúma  • Vargens  • Imperial

Grupo 1 (Blocos)            
Vizinha Faladeira  • Flor da Mina  • Tradição Barreirense  • União da Ponte  • Coroado de Jacarepaguá  • Império do Gramacho  • Flor da Primavera  • Colibri

Grupo 2 (Blocos)            
Vaz Lobo  • Canários  • Magnatas  • Cabral  • Raízes da Tijuca  • Laureano  • Novo Horizonte  • Manguariba  • Barriga

Grupo 3 (Blocos)            
Alto da Boa Vista  • Boêmios  • Uraiti  • Infantes  • Oba-Oba do Recreio  • Bloco do China  • Grilo de Bangu  • Esperança de Nova Campina

Grupo 4 (Blocos)            
Chora na Rampa  • Mocidade da Mineira  • Tubiacanga  • Amizade da Água Branca  • Parada Angélica  • Arranco de Piabetá  • Cometas do Bispo